Filmes Assistidos! #34

É nesse post (QUASE) mensal que eu reúno tudo o que assisti nos cinemas, zapeando o Netflix ou a TV atrás de filmes legais.
(Vale dizer que pro segundo semestre, estou com planos de um desafio de cinema (pra tentar me ”obrigar” a ir as telonas pelo menos uma vez ao mês). Vamos acompanhando a saga RISOS).

Legenda de Classificação
☆☆ – Bom, mas não assistiria de novo;
☆☆☆ – Bom;
☆☆☆☆ – Muito bom;
☆☆☆☆☆ – Já quero na coleção! ♥
(Todas as sinopses são pelo ‘Adoro Cinema’).

‘Chef’ (2014)

Sinopse: ‘Carl Casper (Jon Favreau) é o chef de um restaurante badalado de Los Angeles, mas volta e meia enfrenta problemas com o dono do local (Dustin Hoffman) por querer inovar no cardápio ao invés de fazer sempre os pratos mais pedidos pelos clientes. Um dia, um renomado crítico gastronômico (Oliver Platt) vai ao restaurante e publica uma crítica bastante negativa, baseada justamente no fato do cardápio ser pouco criativo. Furioso, Casper vai tirar satisfação com ele e acaba demitido. Pior: a briga vai parar na internet e se torna viral, o que lhe fecha as portas nos demais restaurantes. Sem saída, ele recebe a ajuda de sua ex-esposa (Sophia Vergara) para reiniciar a vida no comando de um trailer de comida.’
Estrelinhas: ☆☆☆☆☆
O filme e o enredo: Eu já havia ouvido falar no filme como referência de ‘roteiros excelentes’, mas não podia contar com a GRATA surpresa que é o longa!
Com uma história simples, o filme impressiona pela forma delicada e pelas sutilezas, justamente trazidas pelo seu roteiro tão bem amarrado, que ainda proporciona uma fotografia LINDA e uma história leve e cheia de significado.
Achei parada obrigatória aos que gostam de filmes maravilhosos e cheios de ternura como ‘Pequena Miss Sunshine’ (2006) e o mais recente, ‘Capitão Fantástico’ (2016), (do qual falo melhor abaixo!)
O elenco: O também diretor e roteirista do filme, Jon Favreau (‘Homem de Ferro 1,2 e 3’) faz um trabalho incrível em todas as suas funções, inclusive no papel principal do Chef Carl.
Ao seu lado, um elenco estrelado: Sophia Vergara (‘Modern Family’ – amo essa mulher!), Scarlett Johansson (‘Lucy’), Bobby Cannavale (‘Dança Comigo?’) e uma participação singela de Robert Downey Jr. (‘Os Vingadores’), em uma das melhores cenas do longa, mas os verdadeiros destaques vão para John Leguizamo (‘Conexão Escobar’), que está pura empatia no papel de fiel escudeiro do protagonista e para Emjay Anthony (‘Perfeita é a Mãe!’), filho do chefe.
Considerações finais: O longa é surpreendente, gostoso de assistir, cheio de cenas incríveis e com um elenco cheio de surpresas em atuações maravilhosas!
Muitas estrelinhas!
‘Chef’ está disponível na Netflix!

‘Corra!’ (2017)

Sinopse: ‘Chris (Daniel Kaluuya) é jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.’
Estrelinhas: ☆☆☆
O filme e o enredo: Todo o buzz em torno de ‘Corra!’ me fisgou a ir assisti-lo nas telonas.
Com um orçamento minimo e produzido/escrito por um comediante, o suspense/terror acabou me pegando no início da trama e cumpriu o prometido.
Com uma história que não segue padrões que já vimos antes, a trama envolve o espectador e ganha vários pontos pela originalidade, produção e, especialmente para mim, conclusão de cada ato.
Vale dizer que os alívios cômicos e a pegada meio M. Night Shaymalan, só contribuíram para o brilho do longa.
O elenco: Daniel Kaluuya (‘Black Mirror’) está incrível como protagonista do longa. As emoções que o ator consegue transmitir são de um grandeza maravilhosa.
Ao seu lado, a estreante nas telonas Allison Williams (‘Girls’), é uma grata surpresa em cada nuance.
Além disso, preciso destacar o trabalho de Catherine Keener (‘Um Crime Americano’), que já citei em outras ocasiões, mas que continua surpreendendo com sus atuações INCRÍVEIS mesmo, lamentavelmente, nunca tendo recebido um grande papel.
Considerações finais: O longa traz a tona assuntos delicados e coloca em cada sutileza, pequenas mensagens escondidas, quase como se o espectador pudesse ver a história de muitos ângulos, ainda que só haja um.
Vale SUPER a pena conferir.

 *

Já contei em outros posts que sinto falta dos longas, mas depois da febra das séries, ficou muito difícil focar em filmes, mesmo estando com a minha lista do Netflix LOTADA!

Vocês viram algo de legal esse mês?
Tem algum filme pra me ajudar a voltar a me envolver nessa arte?

Me conta nos comentários!

beijos ♥

Lidos: Os livros de Maio!♥

Aqui você fica sabendo tudo o que achei dos livros que li no mês que acabou de acabar.
Se você tem algum livro legal pra me indicar, não esquece que dá pra comentar!

PicMonkey Collage

Suicidas – Raphael Montes
Editora:
Benvirá
Sinopse:
‘Um porão, nove jovens e uma Magnum 608. O que poderia ter levado universitários da elite carioca – aparentemente sem problemas – a participar de uma roleta-russa?
Um ano depois do trágico evento, que terminou de forma violenta e bizarramente misteriosa, uma nova pista, até então mantida em segredo pela polícia, ilumina o nebuloso caso. Sob o comando da delegada Diana Guimarães, as mães desses jovens são reunidas para tentar entender o que realmente aconteceu, e os motivos que levaram seus filhos a cometerem suicídio.
Por meio da leitura das anotações feitas por um dos suicidas durante o fatídico episódio, as mães são submersas no turbilhão de momentos que culminaram na morte de seus filhos. A reunião se dá em clima de tensão absoluta, verdades são ditas sem a falsa piedade das máscaras sociais e, sorrateiramente, algo maior começa a se revelar.’
O que eu achei: 
Preciso começar comentando na surpresa tão boa encontrada em ‘Suicidas’.
Eu, que não tenho o menor costume de ler livros nacionais fora dos clássicos, fiquei envolvida e amarrada pela história tão bem escrita e tão cronologicamente acertada.
‘Suicidas’ foi escrito com a divisão de três tempos que se misturam na narrativa.
O primeiro tempo é o diário do Alessandro, onde o protagonista narra algumas passagens dos dias que antecedem a fatídica noite da roleta. O segundo é o caderno/livro encontrado na cena do crime, que descreve os fatos da noite e o terceiro é a apresentação desse caderno, um ano depois da noite da roleta, as mães dos jovens envolvidos.
De cara, essa divisão já expõe o brilhantismo do autor, que não deixa perder o timing para as cenas mais importantes, não deixa passar os ganchos que a narrativa ousada lhe propicia e consegue alinhar os personagens de forma inteligente, construindo perfis sem obviedade nenhuma.
De todo o livro impecável, a unica situação que me incomodou porque causou uma estranheza, foi um detalhe final, que para alguns leitores pode passar tranquilamente, mas que ficou um pouco na minha cabeça por ser meio inverosímel.
No mais, ‘Suicidas’ é um livro excelente, que vale pra quem gosta de suspenses policiais, com um toque de terror/horror.

O Menino Que Desenhava Monstros – Keith Donohue
Editora:
Darkside Books
Sinopse: 
‘Jack Peter é um garoto de 10 anos com síndrome de Asperger que quase se afogou no mar três anos antes. Desde então, ele só sai de casa para ir ao médico. Jack está convencido de que há de monstros embaixo de sua cama e à espreita em cada canto. Certo dia, acaba agredindo a mãe sem querer, ao achar que ela era um dos monstros que habitavam seus sonhos. Ela, por sua vez, sente cada vez mais medo do filho e tenta buscar ajuda, mas o marido acha que é só uma fase e que isso tudo vai passar. Não demora muito até que o pai de Jack também comece a ver coisas estranhas. Uma aparição que surge onde quer que ele olhe. Sua esposa passa a ouvir sons que vêm do oceano e parecem forçar a entrada de sua casa. Enquanto as pessoas ao redor de Jack são assombradas pelo que acham que estão vendo, os monstros que Jack desenha em seu caderno começam a se tornar reais e podem estar relacionados a grandes tragédias que ocorreram na região. Padres são chamados, histórias são contadas, janelas batem. E os monstros parecem se aproximar cada vez mais. Na superfície, O Menino que Desenhava Monstros é uma história sobre pais fazendo o melhor para criar um filho com certo grau de autismo, mas é também uma história sobre fantasmas, monstros, mistérios e um passado ainda mais assustador.’
O que eu achei: 
Esperava MUITO de ‘O Menino Que Desenhava Monstros‘, e acabei me decepcionando mesmo.
Com uma narrativa arrastada, achei tudo demorado demais. O livro pareceu repetitivo até seus momentos finais, que culminaram num momento surpreendente, mas que, na minha opinião, não valeu toda a espera.
A leitura é lenta e o suspense nem é tão bom assim. (Me lembrou ‘As Gêmeas do Gelo‘ piorado).

Uni-Duni-Tê – M.J. Arlidge
Editora:
Record
Sinopse:
‘Um assassino está à solta. Sua mente doentia criou um jogo macabro no qual duas pessoas são submetidas a uma situação extrema: viver ou morrer. Só um deverá sobreviver. Um jovem casal acorda sem saber onde está. Amy e Sam foram dopados, capturados, presos e privados de água e comida. E não há como escapar. De repente, um celular toca com uma mensagem que diz que no chão há uma arma, carregada com uma única bala. Juntos, eles precisam decidir quem morre e quem sobrevive. Em poucos dias, outros pares de vítimas são sequestrados e confrontados com esta terrível escolha. À frente da investigação está a detetive Helen Grace, que, na tentativa de descobrir a identidade desse misterioso e cruel serial killer, é obrigada a encarar seus próprios demônios. Em uma trama violenta que traz à tona o pior da natureza humana, Grace percebe que a chave para resolver este enigma está nos sobreviventes. E ela precisa correr contra o tempo, antes que mais inocentes morram.’
O que eu achei: 
Fã de suspenses e thriller’s que sou, a premissa de ‘Uni-Duni-Tê’ me deixou muito animada e me entregou MUITOS pontos positivos, mas infelizmente, também entregou alguns clichês previsíveis.
A história é bem amarradinha e a trama bem montada, ainda assim, as vezes a leitura ficou confusa pelas passagens de tempo e pela escrita um pouco perdida.
Achei que os errinhos (que podem até ser de tradução) foram compensados pelo fato de termos uma detetive MULHER no centro do livro, além de termos personagens de personalidades (e até gêneros) variados.
Apesar da premissa e continuidade conhecia, quero ler os próximos livros da série ‘Helen Grace’, pela protagonista forte.

*

Você já leu algum desses livros?
Gostou?
Ficou com vontade de ler?

Me conta tudo nos comentários!
(E não esquece de me adicionar no Good Reads, onde dá pra ver tudo o que tá na minha ‘to read’ list!)

beijos ♥

4+1 versões de músicas que amamos na voz de outros artistas!♥

Separei 4+1 versões de músicas que amamos na voz de outros artistas, porque sou a louca dos cover’s, imagina na voz de cantores que amo?!

James Bay – ‘If I Ain’t Got You

Ryan Adams – ‘Wonderwall’

John Mayer – ‘XO’

Keane – ‘With Or Without You’

Ellie Goulding – ‘Your Song’

*

 Um adendo pro cantorzão da p* que é Ryan Adams, que ficou famoso pela versão de todas as faixas de ‘1989’ da Taylor Swift, e que colocou essa versão de ‘Wonderwall’ na trilha de The Oc. ♥

Tem alguma sugestão de cover de famosos?
Me deixa nos comentários!

beijos

Dica de Série: ‘You’re The Worst’♥

Faz um ano (ou mais) que namoro/ensaio assistir ‘You’re The Worst’, e finalmente, descobri um site de confiança para baixar as séries (não me orgulho disso!) que ainda não chegaram na TV aqui do Brasil.
Logo, baixei numa tacada só a primeira temporada e acabei com ela em dois dia, então, tô aqui, escrevendo sobre essa série esquisita, nada carismática, mas viciante por algum motivo que ainda não consegui identificar.

gretchen-y-jimmy-lametc3b3n-youre-the-worst-si-tu-novia-estc3a1-con-la-regla-pajc3a9ate-ruth-caudeli-serielizados

Gretchen (Aya Cash) e Jimmy (Chris Geere) são duas pessoas muito esquisitas.
Egoístas e controladores, nenhum dos dois consegue manter relacionamentos amorosos saudáveis.
Ele é um escritor solitário que se tornou ainda mais amargurado depois de receber a negativa em um pedido de casamento para sua ex namorada, e ela uma executiva de publicidade que não se amarra a ninguém e sofre com a pressão distante dos pais.

Preciso começar falando que ‘You’re The Worst’ é uma série sobre pessoas reais.
Somos como Gretchen, Jimmy, Edgar (Desmin Borges) e Lindsay (Kether Donohue), se não somos, conhecemos alguém que seja, uma ou várias pessoas. Pessoas reais, cheias de defeitos e problemas banais ou problemas sérios que são banalizados, dos quais precisam passar por cima para viver o próximo dia, e acredito que foi isso que mais me agradou na série.
Não que seja uma série sem romances ou grandes sonhos, mas é uma série que aborda realmente o dia-a-dia de pessoas confusas, que sabem o que querem, mas não conseguem tomar sempre decisões acertadas e que tem conviver com isso e encontrar saídas para o que não conseguem encarar.

Não conhecia o trabalho de nenhum dos atores, mas fiquei completamente apaixonada por Chris Geere (‘Depois da Terra’) e pela forma como ele conduz o protagonista Jimmy, um personagem estranho, mas interessante.
Aya Cash (‘O Lobo de Wall Street’) também é ótima como Gretchen, mas gostaria de destacar os coadjuvantes Desmin Borges (‘Os Pinguins do Papai’) e Kether Donohue (‘A Escolha Perfeita’ – lembram dela?), que fazem um trabalho incrível de suporte e entretenimento de fundo (inclusive tomando mais luz ao final da primeira temporada, o que agrada muito!).

No mais, ‘You’re The Worst’ não é uma super produção, nem tem um roteiro imperdível, mas é uma série que traz pros holofotes as relações interpessoais reais (relacionamentos, amizades e por aí vai…), cheias de questões, momentos embaraçosos e coragem de quem arrisca.

Se você já assistiu a série, me conta nos comentários!
Se ficou com vontade, me conta também!
Vamos conversar!

beijos♥

3+1 motivos para você assistir ‘Capitão Fantástico’, o filme esquecido pelo Oscar.

Eu JURAVA que já havia feito esse post aqui no blog, mas por algum motivo, não fiz.
Então, estou fazendo agora, mesmo depois de um tempo.

Nas minhas férias, em março desse ano, despretensiosamente assisti ‘Capitão Fantástico’, um longa dirigido e roteirizado pelo estreante Matt Ross e estrelado BRILHANTEMENTE por Viggo Mortensen (o eterno Aragorn, de ‘Senhor dos Anéis’) e que grata surpresa tive com esse filme!
A história gira em torno de Ben (Viggo) e seus seis filhos, que vivem fora da civilização, em uma floresta.
Com uma criação única e rígida, as crianças aprendem a sobreviver e a manter o intelecto impecável, até que são forçadas, por um acontecimento, a deixarem esse isolamento.
capitao-fantastico

O longa é lindo! Doce, excêntrico e tocante.
Mas pra não dar spoilers e te incentivar a ir correndo assisti-lo, separei 3+1 motivos para você assistir ‘Capitão Fantástico’, o filme esquecido pelo Oscar.

1
Ele joga no ventilador os questionamentos sobre a sociedade em que vivemos.
Simples e indolor, o longa compara sutilmente a distante realidade em que a família vive com a sociedade capitalista atual.
Esses questionamentos evoluem e ficam ainda mais vivos, quando as crianças chegam a sociedade e sofrem um choque cultural, devido a distância de ideias e ideais.

2
Ele coloca em cheque: Criação X Liberdade de escolha
Também quando voltam a sociedade, as crianças percebem que não tiveram liberdade de escolha sobre a forma como seriam criadas, mais um questionamento colocado sobre a mesa que desdobra em outros pontos mais profundos.

3
Ele conta com GRANDES atuações
Além de Viggo, que está em seu melhor papel da vida (na minha opinião), o longa é um show a parte apresentando atores de uma nova geração que ENCANTAM com suas atuações.
Destaques para George MacKay (‘Orgulho e Esperança’) e Shree Croocks (‘American Horror Story’).

4
Ele carrega singelas lições de amor ao próximo e ao mundo em que vivemos
O respeito ao outro, as ligações com a natureza, a simplicidade no dia-a-dia, as diferentes formas de agir diante das complexas situações da vida, e tantas outras lições sutis são entregues pelo longa, que encantam e envolvem!

*

Se eu ainda não te convenci, vou deixar o trailer do longa pra você se encantar ainda mais com essa história!

Ficou com vontade de ver o filme?
Já assistiu?
Tem algum longa no mesmo estilo pra me indicar?

ME CONTA TUDO NOS COMENTÁRIOS!

beijos♥

‘Lettering’ – Meu novo hobby ♥

Estou presa em uma dessas fases-limbo da vida. Aquelas fases do videogame que não te rendem nada de novo, mas que também não ajudam a passar o ‘big boss’, aquelas fases que servem entre uma fase e outra, e que faz pensa em qual é a próxima fase.
Pensando nisso e unindo isso ao propósito de vida, decidi que precisava me ocupar com alguma coisa nova, e foi por isso que comecei a me inteirar sobre ‘Lettering’.

‘Lettering’ é “a arte de desenhar letras”, e possui um conceito simples: uma combinação específica de letras trabalhadas, para uma única utilização e finalidade.
Aí vocês me perguntam (ou não): você desenha?
E a resposta é: CLARAMENTE não.
Mas como amo esse tipo de arte e realmente estou ansiosa para tentar algo novo como hobby, decidi que ia me munir de muitos vídeos do Youtube, algumas canetinhas coloridas e referências incríveis do Pinterest pra iniciar essa jornada que, como eu já disse, não tem a menor pretensão de se tornar nada além do que ela é mesmo, um hobby para uma pessoa que tem apreciado ficar em casa.

A partir disso, decidi colocar aqui nesse post o material mais legal que encontrei pra deixar de arquivo pra mim mesma e pra quem gosta e/ou quer aprender um pouco mais sobre essa arte tão maravilhosa!

A primeira das Youtuber’s na arte do ‘Lettering’ que encontrei e comecei a seguir foi a Mariana Viabone.
O canal dela é super completinho e tirei MUITOS aprendizados de lá.
Vale a pena!
Mais dois canais legais com várias dicas boas são o da Aline Albino e o da Talita Marques, sendo que a segunda tem #Instagram MUITO legal e super ativo.

Já o Pinterest tem um MILHÃO de opções de referências!
Criei inclusive uma pasta lá, pra salvar tudo o que gosto, mas deixei esses aqui embaixo de exemplo.

Lettering

*

Tô bem animada pra começar e inclusive, já procurando cursos presenciais pra entender mais profundamente a técnica ♥
Claro que assim que começar a arriscar, posto tudo aqui!

Vocês gostam desse tipo de arte?
Me contem nos comentários!

beijos ♥

Tudo de maravilhoso que ‘Gracie & Frankie’ proporciona!♥

Já falei de ‘Grace & Frankie’ em um outro post, logo que comecei a assistir a produção, mas senti, acompanhando agora a terceira temporada, que precisava voltar aqui para falar dessa série tão maravilhosa.
A sinopse já contava que, no centro da história, teríamos Gracie (Jane Fonda) e Frankie (Lily Tomlin), duas mulheres casadas , até seus maridos pedirem o divórcio para se casarem um com o outro, assumindo assim a homossexualidade.
Desse ponto então, ambas teriam que viver juntas, convivendo e abraçando suas diferenças.

O que me impressionou na série é o fato de tantos paradigmas e tabus da terceira idade serem quebrados com naturalidade e humor, o que fica ainda mais evidente nessa nova temporada.
Mas não foi só isso.

giphy

Retratado de forma leve, conseguimos perceber o emponderamento (inclusive sexual – que é tratado com delicadeza e sem tabus) que as protagonistas vão conquistando com o passar dos episódios, ganhando força especialmente com a criação do seu ‘novo negócio’.
Também é graças a essa configuração de sócias, que sua sororidade e companheirismo desabrocham, o que nos presenteia com um feminismo velado, mas cheio de propriedade e libertação para ambas.
O legal é perceber que tudo isso culmina as protagonistas uma aceitação muito grande, de uma para outra (porque elas são incrivelmente diferentes!) e delas para si mesmas.
Um trabalho realmente admirável das atrizes, que faz trazer para a vida real esse reflexo de independência tardia que tanto vivemos no dia-a-dia.

Aquém a toda essa visão feminina da série, temos o plano da terceira idade e suas situações peculiares de fundo caminhando junto com a nova configuração do casal Sol (Sam Waterston) e Robert (Martin Sheen) que passa a dividir a mesma casa e que, com isso, passa a travar outras batalhas em seu dia-a-dia, especialmente dentro do próprio relacionamento e dessa nova adaptação.
Esse novo posicionamento do casal, inclusive perante a situações sociais, é incrivelmente bem retratado e, acrescido a isso, temos a aposentadoria de ambos, que chega com certa relutância, mas que aborda o tema com ótimas visões, opiniões e impacto na série.

No mais, acredito mesmo que ‘Grace & Frankie’ deveria ser uma série obrigatória.
Muito por abordar de forma única a visão da terceira idade, mas também por fazer isso chegando em tantos outros questionamentos importantes da vida, que trazem lições para qualquer idade.

As três temporadas maravilhosas da série são de produção e estão disponíveis na Netflix!

Se você já assistiu, me conta do que mais gostou nos comentários!

beijos! ♥

11+1 ‘lovely songs’ dos meus cantores favoritos! ♥

Visando minha MEGA ansiedade pela minha primeira vez num ‘Rock In Rio’ pra assistir Mozão™ Justin Timberlake em setembro desse ano, decidi listar meus 11+1 ‘lovely songs’ dos meus cantores favoritos, lista este que inclui esse homão maravilhoso e mais um monte de caras incríveis que tem em comum vozes APAIXONANTES e não saem do meu player ♥

Justin Timberlake – ‘Not A Bad Thing’

Ed Sheeran – ‘Perfect’

Gavin James – ‘Nervous’

Vance Joy – ‘Riptide’

James Arthur – ‘Can I Be Him’

Max Milner – ‘All Our Lives’

Sam Smith – ‘Make It To Me’

James Bay – ‘Let It Go’

Bruno Mars – ‘Versace On The Floor’

Jason Mraz – ‘Butterfly’

Drake – ‘Hold On We’re Going Home’

James Morrison – ‘Person I Should Have Been’

*

Todas essas (e mais algumas) estão na minha playlist ‘Mood: Romantiquinha’ no #Spotify, é só me seguir lá pra ouvir tudo o que eu monto :)

Me conta nos comentários se gostou dessa listinha e me sugere temas pra novas listinhas

beijos!

3 ilustradores INCRÍVEIS! ♥

Sou levemente apaixonada por ilustrações (acho que já falei isso aqui no blog), e inclusive queria muito saber desenhar, porém não é o caso, mores.
Então, pra não expor meus desenhos horrendos, decidi falar de 3 ilustradores INCRÍVEIS que eu sigo e sou MUITO apaixonada.

Jonas Mosesson
De Estocolmo para o meu coração, me apaixonei pelos desenhos dele através de GIF’s e foi só amor forever!
Veja mais dos trabalhos dele AQUI!

(SÉRIO! ♥)

Nath Araújo
A Nath ficou mais famosinha tem pouco tempo depois de desenhar os signos com suas características de uma forma bem moderninha, mas eu amo os desenhos dela tem bastante tempo.
Veja mais dos trabalhos dela AQUI!
cbhc3ezwiaarbb8
(é amor e não é pouco!)

Luana Gurgel
Luana é de Natal e É CADA DESENHO QUE EU PIRO MERMO.
Veja mais dos trabalhos dela AQUI!
(E também tem lojinha virtual AQUI!)
MUITO AMOR ♥

*

Se vocês já conheciam o trabalho deles, me contem nos comentários!
Me deixem dicas de outros ilustras legais pra seguir!

beijos