Metade do meu Infinito – Uma carta para meu pai.

O Rotaroots trouxe outro tema nas ~blogagem coletiva tudo~.
Dessa vez a proposta é escrever uma carta em homenagem ao Dia dos Pais, para nosso pai (logicamente).

1187716263_f

(foto velha, mas a mais bonita!)

Apesar de saber que você só vai ler isso se eu te mostrar (porque convenhamos, sua habilidade internértica é 0!), acho importante deixar nos autos essa carta.
Li muitas outras blogagens dessa, pai. A maioria delas triste. Triste mesmo. Pais ausentes, meninas (na maioria das vezes) carregando rancor e culpa por anos, simplesmente por não terem sido amadas por seus pais.
Ainda bem que nossa história é outra, né?

Fico pensando em como você era quando eu nasci. Mais novo do que sou hoje, com menos experiência de vida e com certeza com mais inseguranças, mesmo assim, me criou de uma forma tão integra.
Mais do que isso, me incluiu na sua vida. Sem fazer ideia do bem e de como, no futuro, seria grata por isso. Mais do que meu pai, sempre tive minha base em seus olhos (e no seu colo).

É muito difícil para as pessoas entenderem a conexão da primeira filha com seu pai. Quantas e quantas vezes fui dada como ‘menina dos olhos’, protegida e até, preferida? No começo, eu ficava brava, não aceitava que as pessoas pensassem que eu havia brigado menos pelas coisas que conquistei e dessem o mérito a tudo o que o senhor sempre fez por mim. Depois de um tempo, passei a aceitar que ninguém nunca entenderá esse sentimento.

Nossa cumplicidade é reflexo da criação que você (e a mamãe) me deram. Sempre. A confiança e abertura para me sentir confortável e, mais do que isso, querer dividir tudo com vocês exatamente como você sempre fez comigo!

Dividiu o amor pelo mesmo time, a coberta na frente da TV, a cerveja no churrasco. Me pegou no bar quando fiquei de porre e me acobertou quando desisti de viajar com os amigos. Me mostrou a importância do dinheiro, me ajudou a aprender o valor dele e também o valor da família, dos amigos e das coisas que realizamos.
Me ensinou a andar de bicicleta, que ‘xingar no estádio pode’, que eu tenho que lavar as mãos antes de comer e que pra tudo existe a lei do retorno – embora você prefira avisar que: ‘Olha bem o que você faz…’.

Quando penso em você, mora na minha memória e no meu coração apenas um sentimento: gratidão.
Mesmo quando ~brigamos~, sei que é porque você quer meu bem (mas agora vejo que tá acontecendo MUITO mais o contrário) e também sei que aquela cara fechada não vai durar muito tempo.

Algumas linhas ainda é pouco pra expressar um sentimento tão grande, tão infinito. Deus me livre ser tão boa a ponto de te definir em tão pouco espaço. Deus me livre ficar sem você sendo infinito pra mim.

Em tempo, te amo muito. Feliz dia dos pais.

Anúncios

Um comentário sobre “Metade do meu Infinito – Uma carta para meu pai.

Conta pra mim o que você achou?!♥

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s